quinta-feira, 13 de março de 2008

A lingüa do verbo




a lingüa do verbo
Andréa Motta


Dedicado aos Poetas:
Jiddu Saldanha e Carlos Gurgel

Apesar do silêncio
o vento nordeste
passa entre os dedos
feito poesia

despudorada
e
angelical

beija a pele
arde na carne
arrebata os sentidos
13.03.08

5 comentários:

Leo Lobos disse...

saludos Andrea desde Chile, me parecio leer lo de Barney, o nsolo fue una ilusiòn de palabras y aire

saludos afectuosos

Leo Lobos


http://www.5poemas.blogspot.com/



algunos agoreros de siempre dijeron que esto habia terminado, bueno le envío esta nueva entrega con el poeta español Manuel Vilas, editado en San Pedro de Atacama: cuando el desierto avanza avanzamos con el desierto,



con mis saludos,



Leo Lobos

Isabel-F. disse...

uma delicia este teu poema ...

desejo-te uma Páscoa muito feliz.


beijinhos

ON THE É (nada do que não era antes, quando não somos mutantes) disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
ON THE É (nada do que não era antes, quando não somos mutantes) disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
ON THE É (nada do que não era antes, quando não somos mutantes) disse...

te adoro com todo o meu fervor. desse sol que apazigua e destampa as manhãs que nós mesmos, nela, nos completamos.
beijoss
Cgurgel