sexta-feira, 7 de setembro de 2007

Sopro Humano



Sopro Humano
Andréa Motta



Não me basta ser um caminho qualquer
Nômade por natureza
anseio cores vivas de caracter singular
onde o desafio é maior


Alucinada busco em mim
formas deslizantes para escoar
a emoção


Sem fronteiras
tal qual as águas doces do rio Paraná
corro por espessos derrames balsáticos
em busca do mar


Quando lá chegar terei cumprido
o arco natural da vida
nascer
crescer
morrer

Um comentário:

jorgebond disse...

Porque será que entendo tão bem este por de sol?? Adorei Amiga.
Beijão